Carlos Santana

Carlos Santana: Sobre

Na realidade, Carlos Santana nunca desapareceu. É só que a viagem pela sua música levou-o para territórios onde aos que apenas se interessam pelos rankings têm medo de ir. De facto, se alguém aplicasse a teoria dos seis graus de separação a Santana, descobririam que a sua mística guitarra reduziu a fórmula para três graus. Passou por 30 anos de rock como uma das suas linhas de guitarra - distinta, flexível e voluntarioso."O som de Santana é uma melodia, que simboliza a mulher, e ritmo, que simboliza o homem", disse uma vez. Bem, quando um homem e uma mulher se juntam, criam vida. E essa vida foi Carlos Santana na cidade mexicana de Autlan de Navarro a 20 de Janeiro de 1947. O pai, Jose, era um violinista Mariachi cujo talento musical tinha "a força de revalidar a existência das pessoas" segundo o seu filho. Jose era um exemplo perfeito para Carlos e seu irmão Jorge, que acabou por ir tocar guitarra com o grupo de rock latino Malo. Jose ensinou as bases do violino, mas quando a família se mudou para Tijuana em 1955, Carlos descobrira a guitarra e os blues de John Lee Hooker.Sendo apenas um adolescente, começou a tocar em bares com mulheres nuas de Tijuana.Santana podia ter passado o resto da sua vida a tocar nesses bares em Tijuana.Quando a família mudou-se para São Francisco em 1960, ficou no México para continuar a tocar(demorou um ano a mudar de ideias). São Francisco abriu-lhe a mente à nova experiência americana. Era o local onde se formaram os espíritos livres de génios como Jack Kerouac e Neal Cassady e foi aí que Santana descobriu o espírito de jazz do seu ídolo, John Coltrane.À medida que a contracultura na área da baía foi evoluindo, também o foi Santana, absorvendo influências tanto musicais como químicas. Conheceu o teclista Gregg Rolie durante uma sessão em Palo Alto. Os dois formaram o Santana Blues Band após verem os Grateful Dead no Clube Tick Tock em Palo Alto. Santana não acreditava em líderes de banda, porém pôs o nome dele na banda(com Gus Rodriguez no baixo, Michael Carabello na conga e Danny Haro na bateria) para a união dos músicos locais.The Santana Blues Band, misturando ritmo latino, blues de Chicago e a já óbvia virtuosidade de Santana, ficou no distrito Mission de São Francisco até que capturaram a atenção do promotor Bill Graham. A estreia do SBB no Fillmore West em Junho de 1968 causou uma ovação de pé e logo Graham tornou-os virtualmente na banda da casa, apoiando artistas como Jimi Hendrix, Bob Dylan e Miles David.Carlos associou-se tanto ao estabelecimento que a sua primeira gravação de uma apresentação foi no álbum intitulado The Live Adventures of Mike Bloomfield and Al Kooper, taped at the Fillmore. Enquanto a lista de percussionistas para Santana aumentava rapidamente, Graham não teve nenhuns problemas em recomendar a banda para o festival de música em Woodstock. Graham simplesmente nomeou Santana.A 6 de Agosto de 1969, pensando que não tocaria por muito tempo, Santana tomou ácido e teve de ser empurrado para o palco. O erro na organização forneceu a Santana a divina inspiração. Soul Survivor de Santana, um choque tremendo entre a guitarra pesada de Santana, a bateria de Mike Shrieve com apenas 16 anos e a percussão furiosa de Carabello, é uma das melhores actuações ao vivo do século XX. O executivo da discográfica Columbia Clive Davis, que procurava uma banda psicadélica moderna para melhorar o perfil da empresa, rapidamente assinou com Santana. A estreia, Santana, da banda lançado apenas três meses após Woodstock, fez exactamente isso, gradualmente vendendo um milhão de álbuns à medida que o documentário Woodstock via-se nos anfiteatros das faculdades do país.A guitarra de Santana podia incendiar a seguinte canção apropriada: Evil Ways e Black Magic Woman chegaram ao Top 10. Jingo adaptado do trabalho do baterista nigeriano Babatunde Olatunji tornou-se numa obra clássica latina. Abraxas chegou ao mais alto lugar dos rankings durante seis semanas em 1970; Santana III durou cinco. Ao vivo, a banda era espectacular, com o novo recruta Neal Schon acompanhando Santana em cada nota da guitarra.Enquanto a banda vendia álbuns de forma constante, o guitarrista místico era um ávido de Sri Chinmoy. E começou a colaborar com outros artistas, fora da sua banda. Gravou Carlos and Buddy Miles Live! em 1972 com o baterista do Band of Gypsys. Também trabalhou também com outro discípulo de Chinmoy Mahavishnu, John McLaughlin em Love, Devotion and Surrender de 1973. Com a viúva de Coltrane, criou Illuminations.O seu próprio sentido de devoção levou Santana a adicionar o nome Devadip, mas não fez isso aos seus colegas. Santana como banda tornou-se numa unidade separada. Mingo Lewis ficou responsável das congas em 1973 após Santana o tirar da audiência num recital no Madison Square Garden em Nova Iorque. Leon Patilla, sem dúvida o vocalista mais talentoso da banda, juntou-se em 1974. Schon e Rolie partiram em 1973 para iniciar a banda Journey. Em álbuns como Lotus and Borboletta de 1974, a guitarra de Santana foi para territórios ainda por explorar, não importava quem estava com ele.Em 1976 a Columbia voltou a assinar com Santana o contrato mais rico da história da banda. Mas os êxitos, como a interpretação de 1997 de She`s not There eram poucos e as explorações espirituais de Santana diluíam o som da banda.Houve muito esforço para renovar a banda. Inner Streets de 1978 contou com a ajuda do produtor de Four Tops e de uma nova banda de instrumentistas.Parecia que tinha encontrado o seu som a solo em 1980 com Swing of Delight onde foi apoiado por Wayne Shorter e Herbie Hancock, dois veteranos de Miles Davis dos anos 60. E o fantástico da pop, Zebop! editou o Winning, o seu primeiro lançamento individual no Top 20 desde 1971.Contudo, os anos 80 provaram ser um tempo difícil para o grupo Santana, sendo o seu líder a única constante num alinhamento constantemente em mudança. Carlos provou com vários estilos como Tex Mex de Havana Moon(1983), e a música quase pop que fez para o filme La Bamba. Pouco depois, Rolie voltou para a banda como co-escritor e produtor, promovendo alguma estabilidade, mas em 1988 Carlos fazia digressões com grupos diferentes, tanto com Santana e Rolie como com outro grupo chamado Santana Promise Band.O concerto dos 20 anos da banda contou com os antigos membros da banda no palco, mas só o tom cristalino de Santana diminuía o seu caos pessoal. Em 1991 foi detido no aeroporto da cidade de Houston, Texas pela posse de marijuana e em 1992 porque a Columbia da empresa Polydor prometeu em dar-lhe a sua própria discográfica. Até voltou a Aultlan para tocar na banda mariachi de seu pai. Em 1995 estava em terapia psicológica. Podia ter desaparecido da face da terra segundo muitos, mas os fãs encontravam-no em todos os buracos e cantos de álbuns aclamados de John Lee Hooker, Salif Keita e Lauren Hill. O anterior mentor Clive Davis retomou a sua amizade com Santana em 1995 após Carlos contribuir com um pequeno documentário em homenagem a Davis.Davis assinou Santana com a discográfica Arista e planeou o seu próximo projecto, juntando-o com artistas cuja imagem era apelativa. Com Eric Clapton, Santana gravou o dueto The Calling. Com Rob Thomas dos Matchbox 20 aproximou o som de Harlem latino com Smooth. Com Supernatural, Santana disse: "foi planeado para invadir as rádios com a onda de Santana, unido com artistas incríveis com a finalidade de mudar a estrutura molecular do ouvinte". Isso não ensinam em Tijuana.Mas artistas como Everlast, Dave Mathews e Wyclef Jean aproximaram-se para ver qual era o escândalo deste tipo na colecção musical dos seus pais.Com seis milhões de álbuns de Supernatural vendidos e uma noite incrível nos Grammys deste ano, ganhando sete, Santana é agora o artista que as novas gerações descobrirão nas nossas colecções. Uma reviravolta? Ouçam El Farol de Santana, onde as notas eloquentes saúdam o seu pai violinista Mariachi que traçou o seu caminho. É mais outro passo na sua interminável carreira musical, onde o viajante mais uma vez conta histórias aos seus amigos.