Kid Loco

Kid Loco: Sobre

A electrónica francesa começou a despontar em meados dos anos 90, com um amplo elenco de produtores que esqueciam o techno de Laurent Garnier, para abarcar géneros como o house, o disco ou a música ambiente. Daft Punk e Air logo surgiram como novas estrelas pop, embora a gala nutrida contava com outros paladinos menos populares mas igualmente interessantes. Dimitri from Paris ou Kid Loco são claro exemplos disso.Jean-Yves Prieur, parisiense de nascença, gostava de música desde pequeno. Esta paixão levou-o a fazer parte em várias bandas punks desde a sua adolescência, até começou a dar os seus passos como produtor em finais dos anos 80. Em meados da década seguinte já tem o seu próprio estilo, para se estrear com o EP Blues Project em 1996 sob o nome de Kid Loco. A grand love story, o seu primeiro álbum aparece em 1997, com um som muito cuidado, adequado para fãs da electrónica e pop independente. O prestígio do artista foi ganhando reputação, coisa que deriva de uma série de remisturas encarregues por outros artistas. Algumas das melhores juntam-se em Jesus Life for children under 12 inches(1999), um álbum com canções alheias reelaboradas por Prieur no seu estúdio. Nesse mesmo ano, edita uma sessão tíbia para a série DJ Kicks, enquanto aparece uma nova edição do seu primeiro disco com um CD extra.Kid Loco encara o novo milénio com um ar renovado. Enquanto se dedica à produção do grupo britânico Departure Lounge, prepara o seu álbum seguinte de estúdio. Kill your darlings(2002) afasta-se das texturas paisagísticas, para ganhar corporalidade e agressividade com um discurso médio entre o space rock, o indie e a electrónica.