Nine Inch Nails

Nine Inch Nails: últimos vídeos musicais

Pinion

Videoclip

Only

Videoclip

Down In It

Videoclip

Closer

Videoclip

Head Like A Hole

Videoclip

The Perfect Drug

Videoclip

We're In This Together

Videoclip

Wish

Videoclip

Nine Inch Nails: Sobre

" I am the need you have for more.... and I control you"(Eu sou a tua necessidade para teres mais e eu controlo-te) - Mr. Self-Destruct.Trent Reznor definitivamente não é do tipo que segue os restantes. Se Kurt Cobain é o mártir trágico do rock alternativo dos anos 90, Eddie Vedder é o anjo vingador e Billy Corgan o seu salvador escolhido, então o cérebro de Nine Inch Nails é o seu auto denominado anticristo ou como ele diz em Self-Destruct, "Eu sou a tua necessidade para teres mais/eu sou a verdade da qual te escapas/sou o final dos teus sonhos/levo-te aonde quiseres ir/dou-te tudo o que queres saber/eu rebaixo-te, eu uso-te".O perfeito exemplo dos políticos de direita para representar o sexo adolescente, uso de drogas e violência, Reznor tornou-se num pesadelo para pessoas como William Bennett e Tipper Gore por letras nas suas canções como as notórias:"I want to f***k like an animal/I want to feel from the inside"(Quero-te c...er como um animal/quero-te sentir dentro de mim) de Closer, parte do seu álbum The Downward Spiral de 1994 que o tornou famoso, o qual vendeu cinco milhões de cópias em todo o mundo até à data.A reputação de Reznor por entrar na parte obscura da mente da pessoa veio também das suas actuações ao vivo, as quais eram intensas e enérgicas. Incluíram actuações memoráveis na primeira digressão Lollapalloza de 1991 e a sua feroz, cheia de lama actuação em Woodstock 1994. Os seus vídeos eram também perturbantes e pavorosos, entre os mais comoventes, controversos e constantemente censurados está a imagem de castração e estripamento mostrado quase de forma clínica na parte obviamente falsa do assassinato de uma pessoa em Happiness In Slavery, o estranho espectáculo de Closer do realizador Mark Romanek. O vídeo incluía imagens recuperadas e recicladas de um macaco crucificado, um porco a dar voltas, um Reznor a pendurar-se e esticar-se para alcançar um piano e uma sequência de sonhos de The Perfect Drug, incluído no álbum oficial do filme Estrada Perdida de David Lynch. Pensem no facto que Reznor é também responsável pelo lançamento da carreira de Marilyn Manson( foi produtor nos seus três primeiros álbuns, incluindo AntiChrist Superstar) e têm uma pessoa com muita influência sobre o sucedido.Como Cobain, Vedder e Corgan, os pais de Reznor separaram-se quando o jovem crescia. Nasceu a 17 de Maio de 1965 no pequeno bairro de Mercer, Pensilvânia., próximo de campos Amish e criado pela sua avó materna. Reznor estudou piano clássico em pequeno, tocou o saxofone e a tuba na orquestra da escola secundária e logo foi inspirado pelo seu amor pelos Kiss e juntou-se a várias bandas caseiras de rock como teclista. Continuou a estudar engenharia informática antes de deixar a faculdade e mudou-se para Cleveland, Ohio, onde trabalhava numa loja de música antes de se juntar a uma série de bandas da zona. Até teve um pequeno papel no filme de 1987 de Paul Schrader feita em Cleveland, Light of Day o qual era protagonizado por Michael J. Fox. e Joan Jett.Enquanto trabalhava como engenheiro nos estúdios Right Track, Reznor gravou três cassetes de demonstração com alguns músicos locais, incluindo o baterista Chris Vrenna. Ao alinhamento sempre em mudança era os Nine Inch Nails, um nome supostamente ligado à longitude dos pregos usados para crucificar Jesus na cruz e montaram o seu primeiro álbum, Industrial Nation. A composição estava repleta de guitarras, teclados e baterias metálicas que eventualmente seriam o mais conhecido do seu som. Steve Gottlieb da discográfica independente TVT, conhecida pelos seus álbuns de compilações de música de televisão, assinou com a banda um contrato mas recusaram-se a lançar o seu álbum já feito.Em vez de ser a empresa a lançá-lo mandou a banda fazer digressão e os NIN, como chegaram a ser conhecidos, andaram em digressão por quase o ano todo de 1988 e 89, sendo número de abertura para bandas como Skinny Puppy, Jesus & Mary Chain e o anterior Bauhaus Peter Murphy entre outros. Depois de terminarem o seu álbum de estreia com TVT, Pretty Hate Machine, lançaram a sua própria digressão, Hate 90` North America em Junho desse ano em apoio ao álbum. A esta altura, a banda contava com os serviços de Richard Patrick na guitarra, que anteriormente tocou com Trent na banda Exotic Birds e que logo formaria a banda Filter com o igualmente membro dos NIN Brian Liesegang.Pretty Hate Machine, produzido por Reznor com Flood(U2, Depeche Mode), Adrian Sherwood, Keith LeBlanc e John Fryer, atraiu a atenção quase instantânea das rádios universitárias com Down In It e especialmente com Head Like A Hole. O vídeo para o último mencionado, com a sua montagem mecânica de uma cabeça a girar e torna-se numa máquina(uma obsessão constante de Reznor), passou a ser uma peça imperdível da MTV. O álbum invadiu os rankings e vendeu três milhões de cópias.O sucesso de Pretty Hate Machine infelizmente criou uma discórdia entre Reznor e a empresa TVT que bloqueou o regresso do artista ao estúdio e forçou a banda a voltar às digressões dos Estados Unidos. Fizeram-no com os também industriais Revolting Cocks de Al Jourgenson e logo tocaram nalgumas datas no Reino Unido com Wonder Stuff. O perfil do grupo subiu com as suas actuações surpreendentes no primeiro festival Lollapalooza, organizado por Perry Farrell do grupo Jane`s Addiction. NIN foi o melhor de um alinhamento que incluía Henry Rollins, Butthole Surfers, Siouxsie and the Banshees e Body Count, o qual contava com a participação do rapper Ice-T que se juntou aos NIN na guitarra durante a apresentação de Head Like A Hole. Após Lollapalooza, Guns N Roses convidou os NIN para abrir a sua digressão na Europa, uma viagem que resultou com a banda quase sempre rejeitada dos palcos com guitarra por fãs irritados.Em 1992, frustrado pelos problemas legais que impediam de gravar, Reznor e o seu representante John Malm Jr. formaram a sua própria discográfica, Nothing, e começaram a gravar o que seria o álbum Broken. Quando finalmente solucionaram o seu problema com TVT, o qual foi dado uma porção dos lucros dos próximos álbuns de NIN, Reznor levou a sua discográfica Nothing, o qual incluía Pop Will Eat Himself, Prick e Marilyn Manson, à decadente empresa Interscope de Jimmy Iovine. No entanto, mesmo com nenhum canal a emitir o aterrador vídeo a preto e branco como single, Happiness In Slavery, o álbum ficou no top 10 da Billboard, chegou a vender mais de um milhão de cópias e NIN ganhou o prémio Grammy por melhor apresentação de metal com a canção Wish. Reznor ganharia outra vez o prémio NARAS em 1995 com Happiness In Slavery. O notório vídeo era uma metáfora da frustração que Reznor sentia para com a indústria musical. Mostrava um homem, protagonizado pelo artista sadomasoquista Bob Flanagan, perdendo os seus genitais, a ser cravado com pregos e finalmente a ser martelado com bocados de carne.A peça magistral de 1994 de Reznor, The Downward Spiral foi gravado na sua maioria na mansão de Hollywood Hills onde a actriz Sharon Tate e amigos foram assassinados pelos seguidores de Charles Manson. Representou uma travessia arrepiante aos mais obscuro do centro da alma de Reznor, uma maneira de oferecer as suas defesas e deixá-los a procurar a resposta à eterna pergunta: "Ser ou não ser". Com as aprendizagens do rock progressivo(Bowie Low foi citado como uma influência e o guitarrista Adrian Belew de King Crimson faz uma aparição),The Downward Spiral solta o arsenal completo da fúria de Reznor. Desde troçar de Mr. Self-Destruct até ao difamado Closer até aos sussurros apocalípticos de March of the Pigs e o lastimoso Hurt, Reznor expõe a sua alma para todos verem.Demoraria cinco anos e uma batalha com bloqueio de escritor antes do antecipado álbum duplo de Reznor The Fragile estrear-se no primeiro lugar dos rankings em Setembro de 1999, Entretanto, NIN fizeram uma interpretação de Dead Souls dos Joy Division para o filme O Corvo; Reznor foi produtor e fez remisturas para Megadeath, Machines of Loving Grace e Wolfgang Press e a banda andou numa digressão de sete meses e 83 concertos chamado Self Destruct Tour que incluiu duas funções esgotadas no Madison Square Garden de Manhattan em Nova Iorque e uma apresentação inesquecível no Woodstock 94, comprando uma casa nova em Nova Orleães após gerar 10 milhões de dólares.Reznor encontrou tempo para ser produtor executivo do filme Assassinos Natos de Oliver Stone, o qual tinha uma série de canções dos NIN: Something I Can Never Have e Burn. Também fez uma compilação de material remisturado de The Downward Spiral, produzido por Rick Rubin, Jim Thirwell dos Foetus, Aphex Twin e Coil. No final de 1995, NIN começaram uma digressão de seis semanas como parte da The Outside Tour em apoio a um dos seus ídolos, David Bowie, uma série de programas marcadas pelo grande número de fãs que foram embora depois do primeiro set. Em 1997, Reznor uniu-se ao realizador David Lynch para produzir o álbum oficial do filme Estrada Perdida; ajudou no álbum AntiChrist Superstar do seu então amigo Marilyn Manson; criou a música para CD-Rom Quake e finalmente concentrou-se em criar Fragile. Também preparou um vídeo duplo, Closure, o qual incluía uma vista de olhos à sua digressão, vídeo ao vivo e todos os seus vídeos. Nesta altura, a sua discográfica contava com os serviços de Autechre, The Bowling Green, Einsturzende Neubauten., Plaid, Plug, Squarepusher, 12 rounds e The The, além dos originais Manson, Pop Will Eat Itself e Prick.Produzido por Reznor com Alan Moulder(Smashing Pumkpins, My Bloody Valentine), Fragile é o trabalho mais ambicioso dos NIN até ao momento. Há tédio(ataques ao seu anterior amigo Manson), retrospectiva(nas canções quase clássicas La Mer e The Great Below) e gratificação( o primeiro single, o qual apresentou nos MTV VMAs de 99, We`re In This Together). Após descarregar tudo em The Downward Spiral, Reznor admite que acabou por voltar à sanidade(com ajuda de psicólogos, claro) com Fragile, o qual poderia muito bem representar o seu ego.Oferecendo um pouco de esperança, as tendências de rock-arte de Reznor encontram o seu maior veículo para expressar-se com o álbum. Dado o amor a Pink Floyd The Wall, não é de admirar que Bob Erzin fosse traído para dar coerência ao projecto, junto com outros colaboradores como o teclista de Bowie, Mike Garson, o guitarrista Adrian Clouser, o programador Keith Hillebrandt, o instrumentista Bill Rieflin, o guitarrista de Helmet Page Hamilton e o engenheiro Steve Albini.