The (International) Noise Conspiracy

The (International) Noise Conspiracy: Sobre

Sem sucesso, tentamos procurar as coisas que mais significado têm, e na cultura popular, por vezes se podem encontrar os elementos e técnicas de subversão mais incríveis. O amor comum pelo punk/rock sujo dos anos 60, o soul e a política radical são apenas alguns dos denominadores que o bom grupo chamado The (International) Noise Conspiracy reúnem.Dennis(voz e pandereita) passou por um grupo infame chamado REFUSED, que se autodestruiu quando estava em digressão num sítio qualquer de noite. Enquanto isso, Lars(guitarra e voz) contribuía( e ainda o faz) em muitas das excelentes qualidades do trio de punk chamado Separation.A ideia de uma banda que, segundo Phil Ochs, " seria uma simbiose perfeita entre Elvis e Che Guevara" já se tinha falado muito entre os dois amigos. Houve algumas tentativas por conseguir, mas havia sempre outras prioridades e projectos que não o permitiam.Quando REFUSED desapareceu, Dennis, empenhado na autodestruição, informou os restantes membros, como já tinham feito os Blues Brothers, sobre "a missão que tinha encomendada". Mas hoje em dia, nem Elvis nem Che Guevara pareciam adequados. Em vez disso, a metáfora forma-se com os The Who e DeBoard.As restantes pessoas escolhidas para a missão foram Sara(guitarra, órgão e pandeireta) que dantes tocava guitarra em Doughnuts e mais tarde na formação mais política chamada Saidiwas; e Ludvig(bateria) que também era dos Saidiwas. Pouco tempo depois, Inge(baixo) foi encontrado no projecto de arte/ruído/destruição The Female Anchor of Sade.E assim começou a missão. Sem muita demora, a banda gravou 12 canções que, na Europa foram editados numa colecção interminável de maxisingles, na Ásia sob o nome Ling Lao Records e nos EUA através da G-7 Welcoming Committee. Na Ásia e Canadá, o álbum chama-se The First Conspiracy.Não é fácil catalogar os The (International) Noise Conspiracy porque insiste em retirar elementos da cultura popular e destilá-los até tornarem-se em declarações desafiantes e resistentes. Ou é possível que esta pequena porção retirada da sua primeira conspiração faça-nos entender melhor as ideias do grupo:#7: Como um foguete preparado para descolar, como a descolagem em direcção à lua, já te disse, rapaz.The: neste caso, o emprego simbólico da gramática para demonstrar ao mundo que são algo mais que uma banda de rock fraca e normal.(International): no sentido não de localização, mas sim a referência à ideia universal de resistência e luta, internacional em quanto as ideias do grupo não são novas ou regionais, mas sim universais e de todos.Noise: aqui, a ideia do som subversivo que podia, contrastando com um grupo normal de pop, servir como ataque em rumo à função da música como espectáculo, a única forma em se podia sequer começar a julgar a revolução.Conspiracy: uma sociedade secreta, um grupo de terroristas urbanos com uma obrigação de questionar e atacar toda uma manifestação da nossa cultura: "Cultura?O artigo de consumo perfeito, aquele que serve para vender aos restantes.Não é de estranhar que desejem que os gastemos". Insurreição contra a conspiração.Seguramente The Conspiracy não se calará. Continuarão a semear o pânico como um Durruti drogado. O tempo nos dirá, a revolução dos nossos tempos...The(International) Noise Conspiracy.